Rádio

Rádio

Rádio SC

domingo, janeiro 31, 2016

KIKO, O RATINHO

Kico era um ratinho órfão que morava num casarão abandonado. Seus pais haviam sido carregados por uma enchente, e desde então ele vivia sozinho.

Ele se alimentava roendo as páginas de alguns livros velhos que haviam sido deixados pelos antigos moradores daquele casarão. Mas, um dia ele enjoou de comer sempre a mesma coisa. Ele queria experimentar comidas novas, e mais gostosas.
Então, Kico resolveu sair do casarão e, pelo olfato, acabou indo parar do próximo ao muro de um grande restaurante... O cheiro que vinha do outro lado do muro era delicioso... Ele estava com água na boca imaginando o que haveria de gostoso nas latas de lixo atrás do muro: restos de comidas diferentes, frutas, pedaços de toucinho, queijo... Que delícia!
Mas, por mais que Kico procurasse, não encontrava um modo de atravessar aquele muro tão alto. E agora, o que fazer?

Foi quando apareceu um coelhinho, que foi logo se apresentando:
--- Olá! Meu nome é Pipoca. Qual é o seu nome? E por que você está tão triste?
--- Meu nome é Kico. Estou triste porque estou com muita fome, e sei que do outro lado do muro tem muita comida gostosa, mas eu simplesmente não consigo passar paro o outro lado, pois o muro é muito alto...
Pipoca pensou, pensou. E teve uma idéia!

 --- Já sei! Faremos uma gangorra!
Vamos pegar um pedaço de madeira e colocar sobre esta pedra.

Você fica em uma ponta da madeira e eu pulo na outra ponta. O meu peso certamente vai lançar você sobre o muro, e você irá para o outro lado do muro.
E assim foi feito.
Quando Kico chegou do outro lado, ele ficou maravilhado! Era tanta comida gostosa, que ele não sabia nem por onde começar a comer! Beliscava uma coisa, roia outra...

“Este lugar é um paraíso!”, pensou ele!
Foi quando ele escutou um barulho.
Olhou para trás e viu...

Bem atrás dele estava um grande gato, o maior que Kico já tinha visto!
O gato pulou em cima dele tentando pegá-lo, mas Kico foi mais rápido e começou a correr!
Ele corria o mais depressa que podia, mas o gato era grande e rápido, e estava quase alcançando o pobre ratinho!
Kico já estava desesperado, achando que seria o seu fim.



Quando tudo parecia perdido, eis que o Kico vê uma pequena rachadura no muro, e mais que depressa, passa pelo buraco!
Kico estava salvo! 

O buraco fora a “porta” pela qual ele pode escapar de uma morte certa e terrível!


Isto me lembra de uma outra “porta” que nos permite fugir de um terrível fim.
Na Bíblia, que é a Palavra de Deus, lá no livro de João 10: 09, Jesus disse assim: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á ...”.
E ainda em João 10:10: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.”. 

Na verdade, todos somos pecadores, e estávamos condenados a uma terrível morte, uma eternidade sem Deus.
Mas nosso Deus, que nos ama muito, mandou o seu próprio Filho, Jesus Cristo, para se sacrificar por mim e por você.
Ele foi humilhado e morto numa cruz, porém ao terceiro dia ressuscitou.
Ele não tinha pecado, mas sofreu tudo isso por amor a nós.
E agora, todo aquele que reconhece o sacrifício de Jesus, e o aceita como seu Salvador, terá direito a vida eterna, a morar no céu com Deus.

Você não gostaria de receber em seu coração a Jesus Cristo?



VERSÍCULO: Jesus disse: Eu sou a porta, se alguém entrar por mim se salvará. Jo 10:9
Como fazer o versículo: uma dobradura de uma casa, e você mesma professora escreva o versículo, na porta da casinha! Dê para cada aluno levar pra casa. 












MÉTODO PARA A HISTÓRIA: Figuras

MÉTODO PARA MEMORIZAÇÃO DO VERSÍCULO: As crianças deverão assoprar o seu ratinho para dentro da porta. Em alguns momentos, o professor deverá gritar: Olha o gato! Imediatamente, todas as crianças deverão levantar, ir até a porta (que está escrito Jesus) e dizer o versículo. Depois continuam assoprando os ratinhos para dentro da porta, até todos os ratinhos entrarem por ela.



SUGESTÕES DE ATIVIDADES:













sexta-feira, janeiro 29, 2016

O IMPORTANTE É SER DE JESUS
BELINHA: (Cantarolando) lá..lá..lá.......

CLARINHA: Olá, Belinha, você está tão bonita! 

ZECA: É mesmo, Belinha!

BELINHA: Obrigada! Minha mãe faz uma roupa nova para mim todos os dias.

CLAUDINHA: Puxa! Que beleza!

ZECA: E os seus sapatos! Que lindo!

BELINHA: A minha mãe compra sempre um sapato novo para combinar com as roupas que eu tenho.

ZECA: Sua mãe deve ser muito rica, Belinha!

CLARINHA: É mesmo! Para fazer tudo isso por você tem que ser muito rica.

BELINHA: É verdade. Tudo o que eu quero ela me dá. Ela tem muito dinheiro e pode comprar tudo.

ZECA: Tudo não! Eu sei que ela não pode comprar uma coisa...

CLAUDINHA: o quê, Zeca?

ZECA: Ela não pode comprar a vida de ninguém porque a vida pertence a Deus.

BELINHA: Ah! Isso aí é, né? Eu não tinha pensado nisso, claro.

CLAUDINHA: Você tem muitos brinquedos?

BELINHA: Claro que tenho! Eu não sei o que eu ainda não tenho de brinquedos.

CLAUDINHA: Puxa, então leva a gente para brincar um pouquinho na sua casa.

BELINHA: Não, não posso, minha mãe não deixa brincar com eles, porque vocês podem estragar tudo

CLAUDINHA: Quer dizer que você não pode levar seus amigos para brincar com seus brinquedos?

BELINHA: Às vezes, com alguns colegas, né?

ZECA: Acho que você não é muito feliz. Eu e a Clarinha juntamos os nossos brinquedos todos os dias. A gente se diverte muito. Brinca na terra, dá cambalhotas na grama, sobe nas árvores, faz uma festa.

CLAUDINHA: A gente é pobre, mas tem um tesouro maior que todas as pessoas ricas.

BELINHA: Tesouro, vocês tão pobres têm tesouros? Ah! Ah! Ah!

ZECA: É verdade! Temos sim, e esse tesouro pertence ao nosso pai do céu. Ele é o Rei dos reis. Nós temos dois pais: um do céu e um que caiu do céu para mim e mora comigo. O pai do céu é o dono do tesouro, e nós somos filhos dEle, por isso somos seus herdeiros. Lá no céu tem um palácio preparado para nós. Só quem tem Jesus vai morar lá.

BELINHA: Palácio! Ah! Ah! Ah! Os meus pais são ricos

CLAUDINHA: Não, Belinha. Você está enganada. Nosso pai do céu foi quem criou todas as coisas. Até onde você mora e o que você tem é dEle. Apenas está emprestado para você. Onde eu moro, também! Ele é o dono de tudo.

BELINHA: Emprestado? Vocês estão enganados, vou perguntar aos meus pais. Eu não acredito em vocês!

NARRADOR: Os dias se passaram e Belinha não esqueceu o que seus amigos falaram. Perguntou a seus pais se na verdade Jesus (Deus) era o criador de todas as coisas e se apenas Ele poderia dar a vida e tirá-Ia. Seus pais assim confirmaram. Depois, passados alguns dias, Belinha ficou muito enferma, e seus pais gastaram todo o dinheiro para que ela ficasse boa. Mas não obtiveram sucesso. Belinha, muito fraquinha, lembrou-se das palavras de seu amigo, que havia dito que o dinheiro não poderia comprar a vida, mas Jesus poderia curar e salvar. E, naquela hora, os pais de Belinha reconheceram que as crianças estavam certas. Então as convidou para visitá- Ia, e elas oraram por Belinha e seus pais. No dia seguinte...

ZECA: Olá, Belinha! Puxa! Como a sua casa é linda hein!

CLARINHA: Você está melhor, Belinha?

BELINHA: Que bom ver vocês! Agora estou bem melhor. Jesus me curou e graças a vocês eu aprendi que o dinheiro não é tão importante. A gente morre e tudo fica. O principal é a nossa salvação. Quase perdi minha vida. Agora posso dizer: Sou feliz! Jesus me salvou! Jesus me curou!

CLAUDINHA: Que bom! Jesus é um tesouro que não se acaba. .

ZECA: Na terra, tudo se consome e perde seu valor. Se cair uma bomba e destruir tudo, de nada vai adiantar o dinheiro. Mas quem tem Jesus tem tudo.

BELINHA: É mesmo. Obrigada! A partir de hoje, eu quero que vocês venham brincar sempre aqui com os meus brinquedos.

NARRADOR: E assim Belinha aprendeu que o dinheiro não compra a salvação, pois o preço que Jesus pagou na cruz do Calvário não tem valor que pague. Ele é o nosso maior tesouro. Jesus é o tesouro mais importante desta vida! 


VERSÍCULO: Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração. Mt 6:21

MÉTODO PARA A HISTÓRIA: Fantoche, Palitoche, ou outro tipo de bonecos que queira estar usando.

SUGESTÕES DE ATIVIDADE:

Fazer a arca e enrolar o versículo acima e colocar dentro.




A NUVENZINHA PRETA

Era uma vez uma Nuvenzinha muito malvada. Ela era a nuvenzinha mais suja do céu de tanto pecado que tinha dentro dela. A nuvenzinha vivia fazendo coisas ruins, soltando raios para todos os lados e assustando as pessoas com seus trovões.

Quando uma nuvenzinha ficava no seu caminho, ela dava um empurrão tão forte que a nuvenzinha voava longe. As pessoas lá em baixo já ficavam com medo só de ver a nuvenzinha preta lá longe no céu, porque sabiam que ela era muito perigosa, então todos corriam e se escondiam dela.


Um dia, uma nuvem maior que estava passando no céu perguntou:
- Nuvenzinha, por que você é tão má?
E a nuvenzinha preta disse:
- Que te importa? Cuide da sua vida!
- Credo, além de malvada você também é muito mal educada...– disse a nuvem com surpresa 
– Que coisa feia ficar respondendo assim...
A nuvenzinha preta fez uma careta e nem se importou..
Você sabia que quem faz coisas ruins porque não tem Jesus no coração não pode entrar no céu? – falou a nuvem maior.
- Ah, que idéia! Eu já to no céu, não está vendo? – respondeu desaforada.
- Não este céu, mas o céu dos céus, a casa de Deus!
A nuvenzinha preta ficou curiosa e a nuvem maior continuou:
- Deus nos ama muito, foi Ele quem nos criou. Ele nos ama tanto que fez um lugar especial para nós lá no céu. Lá é muito lindo, não tem tristeza, nem maldade, quem tem pecado não pode entrar lá.
- O que é pecado? – perguntou a nuvenzinha curiosa.
- Pecado são as coisas que fazemos que deixam Deus triste, como mentir, falar palavrão, responder mal, desobedecer, brigar, bater, etc..
Quem faz essas coisas tem o coração sujo de pecado e desta forma não pode entrar no céu e morar lá com Deus!
- Ai, e agora? Meu coração tá sujo! Eu não vou poder ir morar no Céu com Deus... – respondeu a nuvenzinha aflita.
- Não se preocupe tanto – disse a nuvem maior, tranqüilizando a nuvenzinha – Deus nos ama tanto que deu seu único filho pra morrer numa cruz e sofrer muito em nosso lugar. Jesus derramou todo seu sangue para lavar nossos pecados. Mas Ele ressuscitou e se você quiser, pode pedir para Ele entrar no seu coração e deixar ele limpinho, pronto para entrar no Céu!
- Ufa, que bom! E como faço isso? – Aliviou-se a nuvenzinha.
- É só repetir assim comigo: “Senhor Deus, eu sei que fiz coisas ruins que não te agradam e meu coração ficou sujo de pecado, mas eu estou muito arrependida e quero te pedir perdão. Por favor Senhor Jesus, só o Senhor pode me perdoar e limpar meu coração outra vez. Entre em minha vida e faça em mim sua nova casa, Eu te aceito e deixo que guie a minha vida para que eu nunca faça coisas ruins de novo. Te agradeço muito. Amém!”


A nuvenzinha preta repetiu toda a oração. Ela chorou tão arrependida que o pecado dentro dela foi escorrendo... Escorrendo.. Escorrendo... Até deixar ela toda branquinha de novo.

E desde então, a nuvenzinha se tornou uma nuvenzinha boa. Ela fez sombra para os trabalhadores no campo, regou as árvores do bosque e refrescou as crianças no parque com sua garoa. Quando, sem querer, trombava com outra nuvenzinha, ela pedia desculpas e dava passagem. As pessoas não tinham mais medo dela e Deus ficou muito feliz com a nova nuvenzinha!


Fonte: cantinhodashistoriasbiblicas.blogspot.com


VERSÍCULO: em“Tenham cuidado com o modo como vocês viv...” Ef 5:15



MÉTODO PARA A HISTÓRIA: Palitoche. Imprima ou confeccione as nuvem em papel cartão ou EVA e prenda-as com um palito atrás.

ATIVIDADE: Entregue papel dobradura preto, amarelo e azul claro para as crianças. Peça que elas utilizem esse material para fazer uma nuvem malvada e outra boa. Logo após, eles deverão colá-las numa folha sulfite para recriar a história, ou desenhar e colar algodão na nuvem.

LANCHINHO: Algodão doce